Inteligência artificial: 4 passos para adotar AI nos negócios

Os gastos globais com sistemas de inteligência artificial (AI) e cognitivos manterão a trajetória de crescimento exponencial, segundo previsões da IDC. De acordo com estudo da consultoria, os investimentos chegarão a US$ 77,6 bilhões em 2022, mais que o triplo dos US$ 24 bilhões previstos para 2018. A taxa de crescimento composto (CAGR) para o período de previsão 2017-2022 será de 37,3%.

O fato é que o mundo está de olho na AI e a implementação de maneira ​​ética ganhou nova urgência à medida em que as preocupações globais dos consumidores aumentam o. A transparência sobre a coleta de dados e o uso subsequente entraram no foco principal nos últimos meses, com a questão do GDPR, na Europa. E, agora, a lei geral de proteção de dados – LGPD, no Brasil.

A Sage, multinacional britânica fornecedora de soluções de gerenciamento de negócios na nuvem, divulgou o documento “Construindo uma Economia de Inteligência Artificial Competitiva e Ética”, que aborda questões importantes e não respondidas sobre inteligência artificial. O documento, que possui mais de 3 milhões de clientes em 23 países, foi compilado com a participação de empresas globais e representantes do governo e delineia alguns direcionamentos ​​para empresas e sociedade alavancarem tecnologias baseadas em inteligência artificial de maneira ética, confiável e sustentável.

A Sage listou quatro passos para adotar AI nos negócios:

Introdução da governança corporativa de inteligência artificial e um enquadramento ético para a sua aplicação

As empresas devem desenvolver e rever suas diretrizes, tendo os governos o papel de reguladores para apoiar setores específicos na implementação das melhores práticas.

Desmistificar a AI

Envolver especialistas em ética para explorar como a responsabilidade da IA se aplica em ambições corporativas específicas.

Promover a confiança de colaboradores e empresários na AI

Enquanto as empresas devem manter as suas partes interessadas a par dos seus avanços e objetivos no que respeita ao uso da AI, os governos devem realizar campanhas de sensibilização para reduzir a inibição diante da tecnologia na vida cotidiana.

Continue lendo